⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

domingo, agosto 28, 2016

BOOK REVIEW | As Vantagens de Ser Invisível, de Stephen Chbosky


Penso que todos nós já vimos o filme As Vantagens de Ser Invisível, que conta com a participação em primeiro plano de Logan Lerman, Emma Watson e Ezra Miller. Se esta informação vos soa completamente desconhecida, aconselho-vos a fazerem uma pequena sessão de cinema com este filme assim que acabarem de ler este post. E entendam este conselho como uma ordem porque recuso-me a saber que há por aí seres vivos a caminhar por terra que desconhecem esta obra de arte.

Mas hoje, não estou aqui para falar do filme. Fiz questão de o mencionar porque As Vantagens de Ser Invisível é um dos meus filmes preferidos. Vi-o e revi-o vezes sem conta e, como a papa-livros que sou, não fazia sentido não ler o livro. Normalmente não gosto de ler livros depois de ver o filme, mas neste caso foi diferente. Na minha opinião, fez muito mais sentido ler a história e associar as personagens do filme à mesma. Porque ao contrário do que acontece com muitos filmes, este tem as personagens perfeitas e eu não teria pensado em melhores actores para os papéis. Logo, enquanto lia, imaginava os actores do filme e, para ser sincera, penso que esse foi um dos aspectos que me entusiasmou nesta leitura.

As Vantagens de Ser Invisível presenteia-nos com uma das personalidades mais humildes e cativantes que já conheci. Charlie é um rapaz de 15 anos que vai começar o ensino secundário. Depois de ter perdido o melhor amigo, Michael, para o suicídio, Charlie encontra-se sozinho e sem amigos. É num jogo de futebol que conhece os seus futuros melhores amigos, Sam e Patrick. Escusado será dizer que Charlie se apaixonou por Sam no minuto em que a viu. Mas esta paixão foi cortada logo à partida por Sam por esta ser mais velha. E Charlie aceitou isso. E continuou a gostar dela em silêncio. E a vê-la com outros rapazes. E a desejar estar no lugar deles. E é isto que me leva a afirmar que Charlie tem a personalidade mais humilde que já conheci. Ele não ficava triste com tudo isto. Ele ficava feliz por ela estar feliz.

No livro são-nos contadas todas as aventuras (boas e más) destes três amigos, desde relacionamentos homossexuais secretos, a experiências com droga, a primeiros beijos e espectáculos de teatro musicais - mais precisamente o The Rocky Horror Picture Show. Passamos por toda uma vivência de factos da adolescência de uma forma aberta e sem pudores, ao mesmo tempo tão ingenuamente. 
Apesar de todos estes aspectos despertarem a atenção para este livro, o que mais me fascinou foi a maneira discreta como descobrimos o passado de Charlie. Desde o início que somos alertados para o afecto e carinho que Charlie sente pela sua já falecida tia Helen, mas aos poucos apercebemos-nos que esta relação não era tão "bonita" como Charlie fazia parecer. Era "bonita" para Charlie porque este só se lembrava dos bons momentos - quando a tia lhe oferecia duas prendas em vez de uma no seu dia de anos por coincidir com o Natal, por exemplo. É aquilo que eu chamo os "fantasmas do passado", que, querendo ou não, acabam por afectar a nossa vida e a relação que temos com os outros.

No fundo, este livro representa todo o tipo de sentimentos negativos e positivos. Retrata diferentes tipos de mentalidade e diferentes tipos de maneiras de pensar. Mostra-nos como há pessoas completamente diferentes de nós e como cada um tem os seus problemas pessoais. E fala-nos também de perspectivas e modos de ver o mundo, que podem ser ou não diferentes da pessoa ao nosso lado.


Infelizmente não existe uma versão portuguesa deste livro, mas a versão inglesa é bastante acessível e, na minha opinião, o facto de estar na língua de origem torna cada palavra mais verdadeira.

Já viram o filme ou leram o livro? Se não têm muito interesse na leitura, vejam pelo menos o filme. Não se vão arrepender. É um daqueles filmes que nós tão "clichemente" dizemos "mudou a minha vida". Este não muda a nossa vida mas muda muita coisa, acreditem.

All The Bright Places,
Andreia Capelo

4 comentários:

  1. Vi a adaptação deste livro numa aula de inglês, penso que no 10º. Gostei bastante, principalmente pela temática forte que retrata. Só muito há pouco tempo é que descobri que existia um livro por detrás do filme, o que plantou em mim uma vontade enorme de o ler. E esta tua review está fantástica, parabéns! :D

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devias ler, vale muito a pena!!!! Tem imensas coisas maravilhosas que não aparecem no filme e o livro é sempre melhor, claro.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  2. Esta publicação deixou-me com imensa vontade de rever o filme e de comprar o livro - tenho mesmo de tratar deste último ponto!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens mesmo, não te vais arrepender! :)

      Beijinhos!

      Eliminar

 
Designed by Beautifully Chaotic